O Avivamento de Cura - Por Eddie L. Hyatt

19/04/2014 22:35

Muitos livros já foram escritos tratando sobre o avivamento de cura divina iniciado nos Estados Unidos nos anos 40. Nós já cobrimos aqui em uma matéria nossa, os comentários feitos pelo escritor David Edwin Harrell em seu livro “As Curas e os Avivamentos Carismáticos da América Moderna”, onde em sua obra ele dava um destaque especial ao ministério de cura divina do irmão Branham, que é reconhecido mundialmente por todos os estudiosos sobre a história da igreja como o precursor desse grande avivamento de cura.

 

Dessa vez queremos destacar aqui o trabalho do Dr. Eddie L. Hyatt, que escreveu um livro muito aclamado e sendo ao mesmo tempo uma obra referencial de pesquisa em todo mundo intitulado “Os 2000 Anos do Cristianismo Carismático”, onde como o próprio título diz, resume em um único volume todos os grandes avivamentos ocorridos na história do cristianismo desde os cristãos primitivos até os tempos modernos. O Dr. Hyatt é um experiente ministro do evangelho, tendo servido como pastor, missionário e professor de teologia nos EUA e Canadá e tendo ministrado na Índia, Indonésia, Inglaterra, Irlanda, Suécia, Polônia e Bulgária. Ele promove conferências pelo mundo todo tratando sobre a história do cristianismo e demais temas bíblicos.

 

No capítulo 25 deste seu livro com o subtítulo de “O Avivamento de Cura”, o irmão Branham mais uma vez recebe uma atenção especial como o pioneiro no avivamento de cura divina na América moderna, junto com outros nomes conhecidos como Oral Roberts, T. L. Osborn e outros. Embora nesse livro o irmão William Branham tenha sido tratado respeitosamente pelo autor, não seria nenhuma novidade para nós que assim como os demais escritores sobre a história da igreja, o Dr. Hyatt também não pôde ver a grande importância que o ministério de William Branham representa para a Igreja de Jesus neste tempo do fim, indo muito além do avivamento de cura divina.

 

Na verdade Deus lhe usou com um dom peculiar de cura divina para chamar a atenção do mundo cristão para uma Mensagem que promoveria à igreja o seu retorno à doutrina original dos apóstolos, e cremos que esse foi o principal papel desempenhado pelo servo de Deus, e não somente como um ministrador de curas. De qualquer forma, estaremos fazendo o registro desse capítulo o qual transcrevemos aqui na sua íntegra para a apreciação do amado leitor.

 

O Avivamento de Cura

 

Por Eddie L. Hyatt

 

William Branham (1909-1965) é normalmente reconhecido como a pessoa que Deus usou para iniciar o Avivamento de Cura no final dos anos quarenta e início dos anos cinquenta. Quando tudo começou, Branham, um ministro batista em Jeffersonville, Indiana, trabalhava à parte como um guarda-caça, porque a pequena igreja que ele estava pastoreando não era capaz de sustentar a ele e à sua família. Ele era um homem humilde, com uma fé simples no Deus da Bíblia.

 

Em 1946, Branham relatou que um anjo lhe tinha aparecido instruindo-o a levar um dom de cura para o mundo. De acordo com Branham, o anjo tinha aparecido às 11:00 da noite do dia 7 de maio de 1946, depois de um tempo de oração, e disse:

 

“Não temas. Sou enviado da presença do Deus Todo-Poderoso para dizer-lhe que a sua vida peculiar e suas maneiras não compreendidas têm acontecido para indicar que Deus enviou-lhe para levar um dom de cura divina para os povos do mundo. Se você for sincero, e puder levar as pessoas a crerem em você, nada parará diante de sua oração, nem mesmo o câncer”.

 

Branham imediatamente lançou-se em um bem-sucedido ministério evangelístico de cura, mas com exposição limitada. Respeitando o potencial de Branham e valorizando o seu dom maravilhoso, mas entendendo a sua necessidade para uma administração sábia, o pastor Jack Moore, um pentecostal unicista de Shreveport, Louisiana, trouxe Branham, juntamente com Gordon Lindsay. Lindsay, que era bem conhecido e altamente respeitado nos círculos pentecostais, concordou em servir como administrador das campanhas Branham. Sua capacidade de organizar e de angariar apoio para as campanhas de todas as cidades empurrou Branham em destaque nacional e internacional.

 

Branham operava em um ministério particularmente poderoso da palavra de conhecimento. Quando este dom se manifestava, muitas vezes ele revelava detalhes íntimos da vida da pessoa para quem ele estava ministrando. Através de um dom de cura, ele também foi capaz de detectar e diagnosticar a doença por pulsações em sua mão esquerda que ocorreriam quando ele pegava a mão esquerda da pessoa afetada.

 

Walter Hollenweger (1927- ), professor de missões da Universidade de Birmingham, na Inglaterra, serviu como intérprete de Branham na Europa em diversas ocasiões. Em sua obra monumental Os Pentecostais, ele diz:

 

“O autor, que conheceu pessoalmente Branham e interpretou para ele em Zurique, não tem conhecimento de qualquer caso em que ele estivesse enganado nas frequentes declarações detalhadas que ele fez. Era característica a bondade de Branham quando ele dava algumas revelações pessoais para aqueles que buscavam por cura em um sussurro, para que elas não pudessem ser captadas pelo microfone e revelasse aos espectadores”.

 

Oral Roberts

 

Por volta desta mesma época, Deus estava lidando com Oral Roberts, um jovem pastor em Enid, Oklahoma. Um estudante de teologia na Universidade de Phillips, Roberts era pastor na pequena Igreja Pentecostal da Santidade em Enid. Em 1935, quando tinha dezessete anos, ele havia sido milagrosamente curado de tuberculose avançada. Deus havia falado com ele naquele momento, dizendo: “Eu te chamei para levar o Meu poder de cura para a sua geração”. Agora ele estava diligentemente buscando a Deus por um novo derramamento do Espírito Santo em sua própria vida e ministério e para o cumprimento dessa palavra.

 

No dia 14 de maio de 1947, após estar focado em um período de sete meses de oração e jejum, Roberts recebeu a certeza interior de que era o momento para o chamado de Deus começar a ser cumprido. Neste momento, Deus também revelou a Roberts que ele iria sentir o Seu poder na mão direita e que, quando ele pusesse as mãos sobre os enfermos, ele seria capaz de detectar o nome e o número de todos os demônios que pudessem estar presentes.

 

Com essa garantia fresca em sua mente, ele lançou-se em um ministério que enfatizava a cura para o corpo e a salvação para a alma. Seu ministério foi de um sucesso instantâneo. Em 1948, para acomodar as multidões, ele encomendou uma tenda que acomodaria dois mil assentos. A multidão continuava a aumentar, e por vota de 1953, ele estava realizando reuniões sob uma tenda com 12.500 assentos. Muitos milagres notáveis ​​ocorreram, e Roberts eventualmente tornou-se o mais proeminente evangelista de cura da época.

 

A Voz da Cura

 

Os ministérios de William Branham e Oral Roberts marcaram o início de uma era significativa do evangelismo de cura. Quase que imediatamente, uma série de outros evangelistas começaram a relatar curas milagrosas e outros fenômenos sobrenaturais em suas reuniões. Estes incluíam A. A. Allen, Jack Coe, T. L. Osborn, William Freeman, W. V. Grant, Kenneth Hagin e muitos outros evangelistas.

Lindsay, que se separou de Branham em 1955, proporcionou a coesão para o avivamento por meio da sua revista A Voz da Cura e as convenções anuais de A Voz da Cura. Sua revista relatava os avivamentos de vários evangelistas e serviu como uma plataforma dando-lhes o reconhecimento nacional. Seus esforços foram também um instrumento para o lançamento dos ministérios de vários evangelistas proeminentes da época. Um escritor descreveu o papel de Lindsay no avivamento como “o maestro de uma orquestra indisciplinada”.

 

T. L. e Daisy Osborn

 

Em 1945, T. L. e Daisy Osborn (1923-2013; 1924-1995) foram para a Índia como missionários pentecostais. Incapazes de convencer as abundantes massas a crerem no Senhor Jesus Cristo, o jovem casal voltou para a América. Eles tinham visto as massas sofrendo sem Cristo, no entanto, e por causa desse fato, eles não descansariam até que tivessem encontrado uma maneira de alcançá-los com o evangelho.

 

Enquanto pastoreavam no noroeste, eles diligentemente buscavam a Deus por resposta – e Deus recompensa aqueles que O buscam (Hebreus 11:6). À medida que começavam a realizar cruzadas de evangelismo e cura, Deus confirmava o evangelho com sinais e maravilhas, e eles sabiam que tinha encontrado a resposta para as massas, como tinham visto na Índia. Após um período de um ministério cooperativo com A Voz da Cura na América, os Osborns retornaram aos campos missionários do mundo. Viajando por setenta e seis nações, eles foram pioneiros das cruzadas de cura em massa com resultados fenomenais. Eles descobriram que as demonstrações de compaixão de Deus e do poder de cura resultariam em milhares a aceitar a Cristo em um único culto. Suas enormes cruzadas ao ar livre tornaram-se o modelo para o evangelismo em massa em países em desenvolvimento. Quando eles se aproximaram dos seus setenta anos, dizia-se dessa equipe de marido e esposa que eles haviam pregado o evangelho para mais pessoas, face a face, do que qualquer um nesse ponto na história.

 

CONCLUSÃO

 

Perto do final de 1956, o Avivamento de Cura estava sendo rachado por contenda entre os evangelistas de cura e as denominações pentecostais as quais pertenciam. Alguns dos conflitos era simplesmente ciúme por parte das denominações, e alguns foi devido a práticas questionáveis ​​por alguns dos evangelistas. O conflito resultou no declínio do avivamento e um período de crise para muitos dos avivalistas de curas. Alguns não puderam continuar. Entre os mais conhecidos que continuaram com êxito os seus ministérios estavam Gordon e Freda Lindsay, que fundaram o Cristo Para as Nações, em Dallas, Texas; Oral Roberts, que fundou a Universidade Oral Roberts, em Tulsa, Oklahoma; T. L. e Daisy Osborn, que continuaram o seu evangelismo missionário multifacetado da Fundação Internacional Osborn em Tulsa, Oklahoma; e Kenneth Hagin que fundou o Centro de Treinamento Bíblico Rhema em Broken Arrow, Oklahoma.

 

O Avivamento de Cura forneceu uma importante ligação entre o movimento pentecostal e a Renovação Carismática, que começou por volta de 1960. À medida que o Avivamento de Cura diminuía, a Renovação Carismática surgiu para um público ainda maior e mais receptivo. Vários daqueles que desempenharam papéis importantes no Avivamento de Cura agora se tornavam fundamentais no êxito do movimento carismático.

 

Fonte: “2000 Years of Charismatic Christianity”, por Eddie L. Hyatt, 2002.

Salve o arquivo PDF do livro original em inglês

 

Salve esse arquivo

    

 

Deixe Aqui o Seu Comentário

Data: 05/05/2017

De: Renata

Assunto: livro

olá boa tarde! É possível encontrar este livro traduzido?
onde posso encontrar?

Data: 12/04/2017

De: Pr. ANTONIO MARCOS

Assunto: kurt koch cita Hollenweger - Em seu livro "OCULTISMO, DEMÔNIOS E EXORCISMO

Este exemplo me foi relatado por um antigo interprete de William Branham. Não me refiro ao Pastor Hollenweger , mais a um pregador germano-americano que o acompanhou com seu primeiro interprete.
Certa noite, na hora da pregação, o aludido evangelista disse ao interprete: “Não se coloque à minha direita. Ai se encontra o meu anjo.” Ingenuamente, ele perguntou: “Que aparência tem o anjo?” O pregador descreveu-o como sendo um homem forte, de cabelos negros, que estava de pé a seu lado, de braços cruzados. E ele teria que fazer tudo que o anjo mandasse.
Ás vezes este pregador chegava atrasado para a conferencia. O interprete lhe pediu que viesse mais cedo, o que ele respondeu: “Só posso vir quando o anjo me permite. O anjo me acompanha dia e noite. Tenho que fazer tudo o que ele ordena, se não, não tenho autoridade para pregar. Nem na minha vida particular eu posso tomar minhas próprias decisões. Só posso receber as pessoas que o anjo me permite receber.
Posteriormente, este interprete contou-me que, às vezes o evangelista entrava em transe durante a pregação. Depois de falar, ele se sentia esgotado. Seu filho tinha que fazer-lhe massagens nas costas, até que ele se recuperasse.
Se depois de uma reunião, havia pessoas que buscavam a cura, o anjo é quem determinava quem deveria receber a imposição de mãos. O homem era apenas um ESCRAVO DE SEU ANJO.

Data: 20/04/2014

De: Vincenzo Ramondetta

Assunto: Saluti da Italia

Deus abencoi. Amen!!!

Novo comentário