Sidney Jackson: Predestinado Para a Causa

30/01/2016 19:16

 

Sidney Jackson foi um missionário da África do Sul. Ele esteve em contato próximo com William Branham e ele acreditava na Mensagem que veio do ministério do irmão Branham. Já em 1921, ele foi convertido em uma reunião pentecostal e ele se tornou um evangelista e um pastor bem aceito da Missão da Fé Apostólica. Ele era amigo íntimo de ministros como Justus duPlessis, seu irmão David duPlessis e muitos outros “veteranos” entre os crentes pentecostais. Mais tarde, Sidney Jackson saiu da Missão da Fé Apostólica e em 1958 ele passou, junto com muitos outros, como o evangelista Lukas de Beer, à Igreja Protestante Pentecostal (IPP).

 

Em 1964, durante a sua estada nos EUA, Sidney Jackson e sua esposa Johanna foram batizados no Nome do Senhor Jesus Cristo. Depois que eles voltaram para a África do Sul naquele mesmo ano, Sidney Jackson foi fortemente contestado por várias pessoas sobre a verdade do batismo nas águas no Nome do Senhor Jesus Cristo. Os representantes da Escola Bíblica da Missão da Fé Apostólica, vieram a ele com vários pastores e evangelistas. Sidney Jackson falou com eles por mais de duas horas, expondo o batismo bíblico nas águas. Depois disso, muitos crentes chegaram aos seus lares, desejando ser batizados no Nome do Senhor Jesus Cristo.

 

Sidney Smith foi prefeito de Durban, e em 1951 ele acompanhou William Branham durante sua primeira visita à África do Sul. Ele foi o homem que chamou o irmão Branham ao telefone em seu quarto de hotel e disse-lhe para olhar para fora de sua janela. Sete grandes caminhões carregados, cheios de muletas, cadeiras de rodas e bengalas, que as pessoas tinham deixado em razão da reunião após o serviço no dia anterior, estavam passando pelas ruas de Durban. Os povos nativos da África do Sul saíam caminhando atrás dos caminhões, cantando “Somente Crer”. (Veja também o livro: “William Branham, Um Profeta Visita a África do Sul”). Anos mais tarde, Sidney Smith também contatou o irmão Sidney Jackson, por volta de 1969, e foi batizado por ele no verdadeiro batismo cristão.

 

O irmão Sidney era um homem muito espiritual e o Senhor operou através dele com muitos sinais e prodígios. O Senhor também falava muitas vezes com ele sobre as pessoas. Durante o tempo da primeira visita de William Branham à África do Sul, o Senhor disse ao irmão Branham para ficar em Johanesburgo por mais de duas semanas, para então descansar na fazenda de Jackson e, depois de lá, ir para Durban e ficar por lá durante um mês. No entanto, a comissão organizadora nacional tinha outros planos, e o irmão Branham foi levado involuntariamente para fora da perfeita vontade de Deus. Embora a África do Sul visse seus maiores encontros religiosos durante os serviços com o irmão Branham, o esquema de viagens desviante jogou uma sombra sobre a visita. O Senhor falou a Sidney Jackson em um sonho e disse-lhe exatamente o que estava errado com o esquema de viagem, e de como o irmão Branham estava fora da perfeita vontade de Deus. Isso aconteceu antes que eles se conhecessem pessoalmente.

 

Uma parte do encontro em Durban, África do Sul com William Branham, em 1951

 

William Branham fala sobre Sidney Jackson e sua esposa em 23 de agosto de 1964, na fita “Perguntas e Respostas”, dizendo:

 

Bem, por que o irmão Jackson e sua esposa se destacam para mim? Porque ele era um caçador? Não, pois eu tenho muitos amigos caçadores por aí. Mas por que ele se destaca? E por quê? Se você soubesse o segredo por trás disso tudo. Mas eu não digo às pessoas todos os segredos que eu conheço. Bem, por que foi que na mesma hora em que o Senhor disse “Entre em contato com Sidney Jackson na África do Sul”, que o Senhor falou a Sidney Jackson para vir aqui? Domingo, em uma semana ele foi batizado, ele e sua esposa, no Nome de Jesus Cristo, aqui mesmo na hora de escurecer. Veja, predestinado para a causa... Vê?

 

Em 1952, no dia 6 de setembro, Sidney Jackson e sua esposa Johanna conheceram William Branham e sua esposa Meda, durante a sua primeira visita a Jeffersonville nos EUA. William Branham pediu a Sidney Jackson, quando ele estava saindo, para se tornar o pastor do Tabernáculo Branham. Quando Sidney Jackson respondeu que ele não poderia fazer isso porque não era capaz e que ele era um agricultor, o irmão Branham disse: “Tubo bem, irmão Jackson” e assim ficou. (Isso foi antes que Orman Neville fosse o pastor do Tabernáculo Branham).

 

Da esquerda para a direita, William Branham com Sidney Jackson e sua esposa Johanna, na África do Sul, em 1965 (foto tirada de um filme de 8 mm).

 

Nesse mesmo ano o Senhor tinha dito a Sidney Jackson que ele iria visitar a Alemanha e Holanda (Países Baixos). O Senhor falou a palavra “Holanda” três vezes. Durante a mesma visita a Jeffersonville, Sidney Jackson disse a William Branham sobre o que o Senhor tinha dito a ele a respeito da Alemanha e Holanda. O irmão Branham confirmou o que Sidney Jackson disse, e lhe deu uma carta pessoal de recomendação dirigida aos crentes de todas as nações. Esta carta diz que Sidney Jackson e sua esposa deveriam ser recebidos como servos de Deus, o que a igreja de Roterdam tem feito e por que fomos muito abençoados. Sidney Jackson nos disse que ele cria que William Branham deveria ter nos visto parados em Roterdam, quando ele disse a William Branham sobre o que o Senhor lhe tinha falado a respeito de ir para a Holanda.

 

 

Irmãos Branham e Jakson calando na África em 1965

 

Temos muitos testemunhos de como que, quando Sidney Jackson estava na África do Sul ou na América (onde também residia), o Senhor falou com ele quando alguém estava enfermo na Holanda ou em necessidade. Sidney Jackson uma vez pediu a William Branham para orar por ele quando ele não queria que o Senhor lhe falasse mais sobre tantas pessoas, uma vez que isso o perturbava muito. William Branham respondeu que ele nunca deveria pedir por isso de novo, quando isso era um atributo de Deus operando nele. Muitos membros de nossa igreja e de outras igrejas, assim como também muitos ministros estrangeiros, podem confirmar que o Senhor também falou com Harry van der Stel sobre eles e que, através dele, o Senhor os abençoou. Então nós cremos que há definitivamente um atributo de Deus e um ministério de Deus presente em nosso pastor Harry van der Stel, o qual devemos respeitar.

 

Sabemos que o ministério do irmão Sidney era uma parte do ministério quíntuplo, como é o ministério do irmão Harry e o irmão Harry sempre disse que não temos “grandes homens” entre nós. No entanto, é uma grande bênção ver como o Senhor mostra-Se vivo através de Seus filhos. William Branham viu isso em Sidney Jackson e sua esposa e ele os chamava de “predestinado para a causa”.

 

Sidney Jackson teve de esperar por cerca de vinte e cinco anos antes que a Palavra do Senhor acerca da Holanda acontecesse. Em 1976, nosso pastor encontrou Sidney Jackson na Alemanha e foi conduzido pelo Senhor para convidá-lo à nossa igreja, em Roterdam.

 

Encontro com Sidney Jackson na Leeuwenstein Street, Roterdam

 

Quando Sidney Jackson ouviu falar sobre os testemunhos dos milagres e sinais que o Senhor tinha feito na vida de Harry van der Stel e sobre a maneira como o Senhor tinha falado com ele, muito se alegrou. Ele disse que não ouviu falar sobre essas coisas em outros lugares do mundo, e Sidney tinha viajado para vários outros países em torno desse tempo.

 

William Branham havia dito uma vez ao irmão Sidney que ele se tornaria um homem velho. Sidney estava com cerca de 76 anos de idade, quando ele veio pela primeira vez a Roterdam em 1976, quando ele e sua esposa Johanna visitaram nossa igreja, e o seu ministério foi uma grande bênção para nós. De 1976 até 1981, eles visitavam a nossa igreja na Holanda a cada ano.

 

De 1969-1981 Sidney Jackson e sua esposa Johanna, não residiam apenas na igreja da África do Sul, mas também regularmente na igreja de Pearry Green, em Tucson, Arizona. O irmão Sidney era um “ministro associado” lá, e Pearry Green disse uma vez que Sidney Jackson realmente tinha três “casas”: sua casa na África do Sul, sua casa em Tucson, Arizona, e sua casa em Roterdam, na Holanda.

 

Da esquerda para a direita: Sidney Jackson, Reg & Gloria Searle, Harry & Annie van der Stel com seu filho Samuel, Barrie Bonamour, Lukas de Beer e Gene Long na Leeuwenstein Street, em Roterdam, em 1977.

 

Sidney entrou profundamente na Palavra, a qual o Senhor tinha revelado através de William Branham. O principal tema que ele falava era sobre a abertura dos Sete Selos, com as verdades ocultas de Deus que veio deles. Ele também apontou quais as mensagens importantes que deveriam ser traduzidas em primeiro lugar. No intervalo das reuniões em Roterdam, Sidney Jackson também falava por horas e horas sobre a Mensagem e testemunhava sobre todas as coisas que o Senhor havia feito, muitas vezes até mesmo no meio da noite.

 

Quando ele estava aqui em Roterdam, o Senhor também falava com Sidney Jackson enquanto orava no Espírito durante a noite. Uma vez ele pediu a Harry van der Stel para ligar para uma certa pessoa nos EUA, quando o Senhor lhe tinha dito naquela noite que a filha dessa pessoa se envolveu em um grave acidente, mas que ela ficaria bem. Ao ligar naquela manhã, Harry descobriu que isso era verdade, e ele disse a essa pessoa que o Senhor tinha mostrado ao irmão Sidney que a filha ficaria bem.

 

No aeroporto em 1977, dizendo adeus a Sidney Jackson e aos irmãos da África do Sul.

 

Sidney Jackson não tinha vergonha do pequeno e humilde grupo de Roterdam, já que ele conhecia o seu chamado. No aeroporto ele costumava erguer as mãos para cima e dizer “Graças a Deus por Roterdam”. Sidney Jackson sempre foi entusiasmado com os acontecimentos de Roterdam. Uma vez um ministro de Cingapura visitou nosso companheirismo e ele contou sobre como Sidney Jackson havia testemunhado a ele, nos Estados Unidos, por cerca 45 minutos, tudo sobre o que o Senhor havia feito em Roterdam.

 

As reuniões com Sidney Jackson eram muito abençoadas e ele estabeleceu a nossa igreja, a fim de apontar o irmão Harry como o pastor e apontando os outros ministérios, a exemplo do irmão Vriesema como presbítero. Em uma profecia falada por Sidney Jackson, o Senhor disse a Harry van der Stel qual era a sua vocação e uma comissão exata foi dada a ele acerca de seu ministério para a Noiva de Cristo.

 

Em uma reunião em 1979, Sidney Jackson falou a seguinte profecia sobre a igreja em Roterdam, no final do culto:

 

Os inimigos se esforçarão para ferir. Mas Deus nos esconderá.

Todas as suas hostes que posicionarem, Deus as mudará.

O que parece te prejudicar, se converterá em alegria eterna.

Essa é a mensagem para a igreja.

 

Em 1979, no dia 29 de maio, Sidney Jackson relatou à igreja de Roterdam sobre como naquele dia, enquanto ele estava sentado ao lado de Harry van der Stel em sua sala de estar, havia recebido a plena revelação da comissão que o Senhor deu a ele em 1952, sobre ir para a Alemanha e Holanda. Alguns trechos desse sermão gravado são dados aqui:

 

Irmãos e irmãs, no meu espírito, eu só posso cair e chorar diante de Deus. Foi só neste dia que eu tive a plena revelação, de que o que Deus tinha em Sua mente quando Ele falou para mim em 1952 e disse que eu iria para a Alemanha e Ele disse que eu iria para a Holanda. O grande destaque era a Holanda, Holanda, Holanda, e eu entendi que isso era o amor e o desejo de Deus para uma visita aqui à Holanda...

 

E por que Ele escolheu Roterdam, por que Ele simplesmente entra em um lugar simples como este, eu não quero nem questionar isso. Mas eu sei que Deus tem feito alguma coisa. E nessa tarde pensando, eu poderia até mesmo deitar no chão, sentado aqui enquanto meu irmão estava falando. Sei que Deus tem feito uma obra aqui. Sei que há solo preparado. E nós temos a Semente certa desta hora. É a semente da Palavra Falada para esta hora...

 

Agora eu dou isso a vocês, em 1952 o profeta falou e ele me deu essa carta. Para ir à Holanda. E eu acho que o Senhor falou Holanda: “Holanda, Holanda, Holanda”; três vezes. Eu disse para o irmão Branham: “O Senhor disse para que eu vá para a Holanda”. Eu não estava sequer em meu tempo integral. Eu ainda estava na minha fazenda. Eu me rebelei, eu não queria deixar a fazenda. Eu tinha uma ligação muito forte com ela.

 

Mas, em 1953, o Senhor me levou para fora; Ele me despojou de tudo. Estávamos há nove anos na estrada, em um trailer, trailer de cinco metros. Viajamos por toda parte, até o Congo belga. Em toda parte, onde quer que fôssemos, Deus estava conosco, operando por nós. Mas mal sabia eu que o que Deus falou em 52 seria manifestado aqui, que eu o vejo esta noite. Vocês podem não entender, mas agradeço a Deus que o meu irmão tem uma visão disso... Meu coração está cheio de gratidão a Deus. Só nesta tarde eu entendi o que Deus quis dizer, Ele disse: “Você irá para a Holanda”.

 

William Branham disse a Morris Ungren, em 1964, que Sidney Jackson era a “chave para a África do Sul”. Naquele ano, Sidney Jackson e sua esposa visitaram William Branham em Jeffersonville pela segunda vez e, como mencionado antes, os dois foram batizados em Nome do Senhor Jesus Cristo naquela época. Durante essa visita, William Branham trouxe Sidney Jackson e sua esposa, juntamente com Pearry Green, na “sala do recanto”, em sua casa. Lá ele falou com eles por mais de quatro horas sobre os cinco eventos extraordinários que ocorreram através da “palavra falada”; a salvação dos filhos de Hattie Wright, a cura de sua esposa Meda, os esquilos sendo falados à existência, a tempestade sendo parada e os peixes trazidos de volta à vida.

 

Em depoimentos posteriores de Sidney Jackson, ele diz como Deus, por algum motivo, tinha trazido Pearry Green e ele juntos. Ele diz que eles certamente divergiam sobre as coisas, mas que ele achou graça com Pearry Green e que Pearry Green seguiu o conselho dele. Sidney Jackson também diz como que o profeta (o irmão Branham) colocou ele e sua esposa, juntamente com Pearry Green sobre a pele do urso grisalho que estava na “sala do recanto”, e que eles não poderiam ficar longe um do outro.

 

Um pote de madeira africano esculpido

 

William Branham orou por todos os três pessoalmente. Sidney Jackson testemunhou como William Branham deu-lhe a sua comissão na época, a única que ele ouviu e que ele manteve em segredo. Então o irmão Branham disse: “Olhe o que um missionário da África do Sul para a África do Sul me deu”. Ele então pegou um pote de madeira africano esculpido, que Sidney havia lhe enviado em 1951, no qual ele guardava pedras polidas.

 

Ele tirou uma pedra marrom desta caixa e deu para Pearry Green, dizendo: “Um urso pardo”. Ele também deu uma pedra amarela para Sidney Jackson, dizendo: “Um Leão de Juba Amarela”. Depois disso ele deixou Sidney Jackson tirar uma pedra da caixa para a sua esposa.

 

Pearry Green também mencionou este evento nos seus testemunhos, dizendo que, por meio dessa oração do irmão Branham, ele sabia que ele tinha que fazer algo relacionado com o ministério de William Branham para ser uma testemunha. Ele também disse que a pedra “Um Urso Pardo” falou ao seu coração quando ele foi para a Rússia em 1977. O emblema da Rússia é um urso pardo e Pearry testificou como o seu ministério e o seu livro testemunho “Atos do Profeta”, foram muito bem recebidos na Rússia.

 

Sidney testemunhou no Canadá em 1976, que ele ainda não sabia naquela época o que a pedra “Leão de Juba Amarela” significava. Mas ele disse que existe o Leão de Juba Preto no sudoeste da África do Sul e que nem uma alma veio à Mensagem daquela área. Ele mencionou ainda sobre como, em outras partes da África do Sul, onde o Leão de Juba Amarela vive, Deus abençoou e multiplicou esta Mensagem.

 

Agora, sem tentar acrescentar o testemunho de Sidney Jackson do por que William Branham deu a pedra “Leão de Juba Amarela” para ele, mas existem alguns fatos notáveis ​​no que diz respeito ao ministério de Sidney Jackson para a Holanda, especialmente para a igreja em Roterdam, que parecem estar em sintonia com tudo isso. William Branham diz que Deus interpreta a Sua própria Palavra. Ele não precisa de nenhum intérprete. Ele interpreta Sua própria Palavra, reivindicando essa Palavra em Sua estação.

 

Sidney Jackson em Roterdam, 1977

 

Como dito antes, Sidney Jackson e sua esposa vieram pela primeira vez à Roterdam em 1976. Nosso encontro naquela época foi na casa de Harry van der Stel, na Leeuwenstein Street. O irmão Harry e sua esposa Annie tinham vivido lá por muitos anos e eles nasceram neste bairro particular de Roterdam. Uma vez, quando Sidney Jackson estava andando em Roterdam, no bairro da reunião, ele foi alegremente surpreendido ao ver que os nomes das ruas eram todos relacionados à África do Sul. Este bairro foi chamado de “De Afrikaanderbuurt”, que é traduzido como “O Bairro Africano”.

 

Uma das principais ruas era a Rua Paul Kruger e a fazenda de Sidney Jackson na África do Sul era muito perto do Parque Paul Kruger. Esta é a fazenda que o Senhor disse a William Branham para ir em 1951, quando ele estava na África do Sul para descansar por duas semanas na fazenda de Sidney Jackson.

 

A Leeuwenstein Street era uma pequena rua lateral da Rua Paul Kruger e em inglês isto se traduz como a “Pedra de Leão”. Foi nesta rua que o ministério de Sidney Jackson começou a ser uma grande bênção para os fiéis na Holanda.

 

Sidney & Johanna Jackson com o irmão Vriesema à direita, na Rua Boven em Roterdam, 1980

 

No final de 1979, Harry van der Stel mudou-se para outro lugar em Roterdam chamado Bovenstraat (Boven Street é “Rua Superior” em Inglês), onde o prédio da igreja ainda permanece. Sidney Jackson também nos visitou aqui e ele gostou muito. Ao entrar no Boven Street, em pouco menos de cinqüenta metros antes de nossa igreja, no lado esquerdo da rua, você vai ver primeiro as palavras “Gouden Leeuw” em letras de neon amarelo na parede do café da esquina. As palavras “Gouden Leeuw” são traduzidas como “Leão de Ouro” em Inglês.

Há um livro sobre a história da cidade de Roterdam em que a Rua Leeuwenstein é mencionada. Porque ela era situada no fundo de um dique, a área também foi chamada de “Cova dos Leões”.

 

Em 1979, quando Harry van der Stel afastou-se para o novo edifício da igreja, esta rua foi renovada e no livro está escrito: “Em 1979, o ‘leão’ deixou sua ‘caverna’ para sempre”. Novas casas foram construídas nesta rua e os telhados foram parcialmente feita de cobre (um símbolo de juízo), o que é muito raro na Holanda.

 

Também é notável observar que o emblema original da Holanda mostra um leão amarelo segurando uma espada em sua pata dianteira direita. Isto se originou em 1572, quando a Holanda começou a ser independente da Espanha, sob a liderança de William de Orange, cuja bandeira da família continha um leão. Diz-se que eles foram inspirados pelo leão na bandeira por causa da tribo de Judá. A partir de um pequeno lugar à beira-mar chamado Brielle, perto de Roterdam, a ocupação espanhola foi expulsa da Holanda em 1 de abril de 1572.

 

 

Os soldados espanhóis não puderam entrar mais nesta área libertada quando grandes áreas de terra foram propositadamente inundadas pelo povo holandês. Pouco depois, a maioria das cidades na Holanda e Zeeland (que são agora províncias dos Países Baixos) foram libertados. A Reforma, que começou na Alemanha com Lutero, pôde, portanto, avançar para o oeste e muitos refugiados protestantes e judeus de outros países da Europa vieram para a Holanda.

 

Desde 1949, o símbolo do leão da tribo de Judá é mostrado novamente no pavilhão de Jerusalém com dois ramos de oliveira em ambos os lados. Sabemos que os dois ramos de oliveira representam Moisés e Elias, na Bíblia em Zacarias 4. O leão azul com a juba amarela representa o Senhor, como está escrito em Apocalipse 5, versículo 5:

 

E um dos anciãos me disse: Não chores. Eis que o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, venceu para abrir o livro e desatar os seus sete selos.

 

O diabo havia atacado Sidney Jackson por muitos anos com um problema nos pulmões, causado por uma injeção que uma vez ele havia recebido. Seus pulmões estavam agora reduzidos a apenas dois pequenos pedaços. Os médicos em Tucson haviam lhe pedido para retornar os raios-X de seus pulmões, uma vez que eles queriam exibi-los em um museu. Eles não podiam entender como um homem poderia viver com apenas dois pequenos pedaços de pulmões, como os mostrados em seus raios-X.

 

Sidney Jackson com Harry van der Stel no novo salão da igreja no Bovenstraat, Roterdam, 1981.

 

Sidney Jackson e sua esposa nos visitaram em Roterdam, em Janeiro de 1981, pela última vez. Ele estava muito fraco e perdeu dezesseis quilos quando ele esteve em Tucson, EUA, desde sua visita anterior a nós, em agosto de 1980. Ele e sua esposa estiveram muito ocupados por lá, oferecendo atendimento espiritual para a grande igreja em Tucson e tendo muitas conversas privadas muitas vezes durando noite à dentro.

 

Na época desta última visita a Roterdam, o irmão Sidney também foi atacado, por Satanás, com uma dupla pneumonia. Quando ele esteve no andar superior da casa do irmão Harry, Harry teve que manter seu ouvido muito perto da boca de Sidney para ser capaz de entender o que ele estava dizendo, uma vez que sua voz estava muito fraca. Mas quando ele desceu para a sala de reunião, sua voz tornou-se forte novamente e ele até dançou no Espírito lá.

 

Sidney Jackson com sua esposa Johanna no salão da igreja no Boven Street, em Roterdam, em 1981.

 

Durante a primeira reunião, no dia 2 de janeiro de 1981, ele nos disse que ele poderia ter ido direto para a África do Sul, desde Tucson, EUA, mas que ele veio especialmente para Roterdam. Ele disse: “Eu prosseguirei; vou dar esse último passo”. Ele também falou novamente sobre 1952, de como o Senhor lhe disse que ele iria para a Holanda e de como o profeta deu-lhe a carta de apresentação. Ele disse:

 

Como o meu irmão falou aqui, 1952, não estávamos nem sequer na Mensagem e eu disse ao irmão Branham: “Deus disse que eu iria para a Holanda”. Eu também tocaria na Alemanha. Mas a Alemanha não imaginava no quadro. Foi à Holanda. E o irmão Branham foi para o seu secretário, o irmão Cox. E deu uma carta lá. Disse-lhe para digitá-la. E você sabe o que foi isso, o que penso.

 

O irmão Sidney pregou na época em nossa nova sala de reunião, que nós havíamos acabado de renovar e da qual ele gostou muito.

 

Então no dia 5 de janeiro, ele estava extremamente fraco e atacado de seus pulmões, mas ainda assim quis descer ao andar de baixo para a nossa sala de reuniões, para um culto de perguntas e respostas. Ele estava tendo muita dificuldade em recuperar o fôlego, mas ainda assim, ele continuava a responder a todas as perguntas.

 

Depois que ele voltou para a África do Sul, ele foi atacado por vários derrames. Durante um desses ataques, o evangelista, Lukas de Beer, colocou o chapéu de William Branham na cabeça de Sidney Jackson e o Senhor o reanimou. Era o mesmo chapéu que William Branham usou durante sua visita à África do Sul, em 1965, e que ele tinha dado a Sidney. Mais tarde, o irmão Sidney Jackson e sua esposa foram transferidos para casa de idosos, para o desgosto do irmão Sidney.

 

O pastor Harry van der Stel com o ministro adjunto Paul Somers, durante uma cerimônia de casamento em 2009.

 

Durante esse tempo, o Senhor deu a Harry van der Stel um sonho, no qual viu Sidney Jackson andando em linha reta para cima, como um general, em um campo de grama verde. De repente o irmão Sidney não conseguia ir mais longe, como se houvesse uma barreira invisível parando-o. Nesse sonho, Harry foi até ele e o levantou sobre esta barreira invisível. Devido a este sonho, Harry e sua esposa Annie, viajaram para a África do Sul para visitar Sidney e sua esposa Johanna.

 

Quando eles encontraram Sidney Jackson, ele estava abatido de espírito e bastante deprimido, enquanto seu corpo estava falhando. O irmão Harry perguntou-lhe se o Senhor ainda estava falando com ele sobre as pessoas e ele confirmou que isso ainda acontecia. Então Harry lhe disse que o Senhor lhe havia mantido lá para esse propósito, para orar por aquelas pessoas. Enquanto conversavam com eles e cantavam hinos com eles, o irmão Sidney começou a regozijar-se novamente e foi revivido no espírito.

 

Foram somente duas semanas depois dessa visita que o Senhor levou Sidney Jackson para o lar para estar com Ele, no dia 1º de julho de 1982. Depois disso, nossa igreja contribuiu financeiramente para o atendimento da esposa de Sidney, Johanna, até que ela também foi para o seu lar celestial para receber a sua recompensa do Senhor. Ambos estão esperando por nós agora, de nos vermos no “Encontro nos ares”.

 

Somos muito gratos ao Senhor pelo ministério de Sidney Jackson e da forma como o Senhor confirmou o seu ministério com as palavras de William Branham. Além disso, o fato de que o Senhor falou a Sidney Jackson sobre a Holanda e a confirmação de William Branham por uma carta de recomendação, prova de que somos uma parte de Seu plano predestinado.

 

Nós também somos muito gratos ao Senhor pelo ministério de nosso pastor e da forma como o Senhor confirmou este ministério através do ministério de Sidney Jackson e também pelo que William Branham falou a Sidney Jackson.

 

  

 

Apesar de não termos qualquer consideração especial das pessoas, nós altamente respeitamos esses ministérios, mas acima de tudo o que o Senhor tem feito em nosso meio. Como Paulo também diz em I Coríntios 3:5-9:

 

Pois, quem é Paulo, e quem é Apolo, senão ministros pelos quais crestes, e conforme o que o Senhor deu a cada um? Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimento. Por isso, nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento. Ora, o que planta e o que rega são um; mas cada um receberá o seu galardão segundo o seu trabalho. Porque nós somos cooperadores de Deus; vós sois lavoura de Deus e edifício de Deus.

 

Uma cópia da carta de recomendação, que William Branham deu a Sidney Jackson e à sua esposa em 6 de setembro de 1952 em Jeffersonville:

 

 

Na nota abaixo Sidney Jackson escreve como ele estava em Jeffersonville em 6 de setembro de 1952 e que ele disse ao Profeta [William Branham], que Deus havia dito que iria para a Holanda e para a Alemanha, e que o irmão Branham, então, deu-lhe a carta em anexo. Ele teve que esperar em Deus por 25 anos para que isso acontecesse.

 


 

 

 

Fonte:   http://www.vrijezending.nl/english/about-vrije-zendingshulp/time/sidney-jackson 

 

Tradução: Diógenes Dornelles

 

Salve esse artigo

   

 

Entrevista de Sidney Jackson com Ed Byskal