A Marca da Besta e o Selo de Deus 1

12/07/2017 00:00

 

A Marca da Besta e o Selo de Deus 1 (16/02/1961) § 34, Long Beach, Califórnia, EUA.

E lembre-se, aqui está, crente. Abel morreu sobre a mesma rocha com o seu cordeiro. Cada crente tem que fazer a mesma coisa: morrer na rocha com o seu cordeiro. [“Amém”] Um cordeiro nada tem a não ser uma coisa, e isso é a lã. E ele tem que perder tudo o que ele tem. Ele não faz nenhum barulho com respeito a isso. Leve o companheirinho e jogue-o lá em cima, como eu disse, o cordeiro fica mudo perante os seus tosquiadores. Ele é tosquiado. Ele não faz barulho sobre isso. A única coisa que ele tem, ele o perde aceitando. E nós dizemos que somos cristãos. Alguém me escreveu uma pequena carta no outro dia e – uma pequena nota, e é engraçado não é? Eu a tenho lá, disse: “Eu tenho o direito, sou uma cidadã americana, eu uso qualquer tipo de roupa que eu quiser”. Vá em frente, está tudo bem. Isso mostra que você é uma cabra. É isso mesmo. [Risos – Trad.] Vá em frente e use-os se quiser. Mas lembre-se, se você é um cordeiro, você tem o direito a isso, mas você perde os seus direitos por Cristo. [“Amém”] Eu tenho o direito de ficar bêbado esta noite, sou cidadão americano. Tenho o direito de fumar cigarros, sou cidadão americano. Você também tem, mas nós perdemos os nossos direitos. Seja tosquiado dessas coisas. [“Amém”] Ajam como senhores, como senhoras, vistam-se conforme, e ajam conforme e vivam conforme. Perca os seus direitos.